Os três, líderes em todas as pesquisas de opinião, deverão estar nas urnas………….

A disputa presidencial de 2022 tem tudo para ser o grande acerto de contas do eleitorado com o presidente Jair Bolsonaro (PL), com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e com a Operação Lava Jato.

Devem estar na disputa pelo Planalto Lula e o juiz-símbolo da operação, Sergio Moro (Podemos), responsável pelas decisões que levaram à exclusão do petista da eleição passada e depois virou ministro do vencedor, Jair Bolsonaro — o grande beneficiado pelo cenário de terra arrasada na política brasileira que a operação deixou e também provável candidato à reeleição.

Os três, líderes em todas as pesquisas de opinião, deverão estar nas urnas, abrindo a possibilidade para que pela primeira vez a população possa dar, simultaneamente, seu veredicto sobre o papel de cada um na Lava Jato e na política brasileira.

Leia mais

Saúde, emprego e inflação serão temas mais fortes na eleição de 2022, diz Kassab
Saúde, emprego e inflação serão temas mais fortes na eleição de 2022, diz Kassab
Siglas estabelecem abril como limite para formação de frente de Centro
Siglas estabelecem abril como limite para formação de frente de Centro
Ministros ‘na rua’: governo Bolsonaro ganha nova configuração em abril
Ministros ‘na rua’: governo Bolsonaro ganha nova configuração em abril
A justiça do voto nem sempre corresponde à justiça dos tribunais, mas será interessante verificar como os valores positivos e negativos que a Lava Jato despertou na população nos últimos anos se refletirão nas urnas. E as campanhas já se preparam para isso.

Apesar de as pesquisas apontarem que a economia é a preocupação maior do brasileiro em 2022, o discurso lavajatista — e o seu contrário — estão nas falas dos três.

Não à toa o grande ato até agora da pré-campanha, o jantar que reuniu os opostos Lula e Alckmin (sem partido), em São Paulo, em 20 de dezembro, foi organizado por um grupo de advogados que se caracterizou por defender investigados da operação e atacar juízes e o procuradores que a lideraram.

Também não é coincidência que Lula venha se utilizando do espaço que a liderança folgada nas pesquisas lhe dá para acusar de parcial o julgamento que considera ter tido, assim como Moro tem utilizado o espaço retomado na mídia para se defender dessa acusação e atacar a cúpula do Judiciário pela ampla revisão que vem fazendo de condenações e dos métodos da operação.

Já Bolsonaro, o grande beneficiado do lavajatismo em 2018, afia o discurso para retomar o discurso moralista de quatro anos atrás e reavivar o antipetismo. Esse posicionamento é visto como uma das tábuas de salvação que lhe restam diante de fortes críticas sobre a condução da pandemia e ter endossado durante seu governo medidas que contribuíram para decretar o fim da operação que ajudou a elegê-lo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *